Porque somos esse filme, sem volta, sem cenas cortadas e efeitos especiais?

cidade2

Mais uma vez eu aqui, escrevendo em uma noite comum e como sempre especial, não podemos esquecer que todo dia é especial, mesmo que ele seja apenas um dia comum.

As pessoas as vezes me perguntam o porquê escrever, ou continuar escrevendo? De certa forma foi um jeito de passar o tempo pensando na vida ou nas coisas que já vi ou ouvi sobre ela, mas convenhamos, meu foco não é responder perguntas, mas escrever sobre elas, você já parou para pensar como a vida se parece tanto com um filme?

Na maioria das vezes você desconhece a história, ao decorrer você vai descobrindo novas situações, se identifica com um dos atores, torce para tudo acabem bem, mas surge o vilão. Pode ser um drama ou um filme de ação, sempre existe ação; uma comédia onde vai fazer todo mundo rir, ou uma história de amor, tentando fazer as pessoas abrirem seus sentimentos em um objetivo maior. No geral, todo filme tem seu objetivo e suas emoções.

Existem aqueles que são baseados em best-sellers, o tipo básico de falta de criatividade, mas que vai render milhões. História de felicidade, tristeza, guerra ao terror, romântico e de comédia, quando não estão em subcategorias do tipo, comédia romântica ou quem sabe, aventura e romance, bom, o que sabemos é: Todo filme deixa sua história e te faz pensar sobre.

Mas a pergunta aqui é: O que nós temos? De verdade, O que nós fazemos? Porque somos esse filme, sem volta, sem cenas cortadas e efeitos especiais?

Dia após dia o enredo vai se formando, um filme de vários diretores, cheio de erros, incertezas e medo. Os críticos perguntam “o que ele estava pensando em fazer algo assim? ” Os atores sempre bem-dispostos a acreditar que tudo vai dar certo absorvendo todo tipo de métodos para falhar. Você, ator e diretor, reage a situações, sobre um enredo mal escrito que é formado por variáveis incertas cobertas por reações adversas ao que poderia ser o filme do ano, no geral, tudo parece levar ao fracasso, não existe mais inspiração, não existe mais direção. Simplesmente a tentativa de encaixar tudo em seu lugar.

Bem ou mal, a história se desenrola e ao decorrer da gravação, você muitas vezes se pergunta “estou no caminho certo? ” ou “selecionei os atores corretos? ”. Você sabe que não vai ganhar prêmios e os fracassos são inexoráveis. As críticas vêm com força, às vezes nos derruba, não deixam o tempo para depois. Tudo é muito fatal para o nosso crescimento. Não existe o “levar adiante o sonho de viver”.

Sabemos que não existe ensaio e que essa sempre será a última sessão, então, quase sempre não estamos na bilheteria esperada, mas no geral tanto faz, esperamos o melhor, preparando-se para o pior e aceitando o que vier, porque somos treinados para isso.

Mas pense em como começou e como você gostaria de acabar.

“Foi então que você nasceu, chorando, pessoas importantes estão a sua volta, você marca um dos melhores momentos para ali sua mãe, aquela que então iria te seguir para todos os lugares, te protegendo. Você criatura divina, a inofensiva e mágica experiência de Deus, com seus pequenos gestos suaves, com sua vida quase incerta, tornasse real, viva…”

Eu fico aqui pensando: Qual é o objetivo deste filme? Como terminar algo que não sabemos quando é o seu fim?

Todo história tem seu fim, logo todo filme, como você gostaria que acabasse o seu? Não estou aqui dizendo para você acabar algo que está só começando, mas pense, qual roteiro está sendo escrito hoje, para então amanhã a história ter um ótimo final? Bom, posso responder o meu, mas esse não é o caso, como falado anteriormente, não estou aqui para responder perguntas, apenas falar sobre elas.